Última Atualização do site:  

18/12/2017 16:54:28

Webmail
ÚLTIMAS NOTÍCIAS / Saúde
Sexta-feira, 09 de junho de 2017
Paraná vai ampliar para outros grupos vacinação contra gripe
 
Paraná vai ampliar para outros grupos vacinação contra gripe

Após o término oficial da campanha de vacinação contra a gripe, nesta sexta-feira (9), a Secretaria de Estado da Saúde orienta os municípios que intensifiquem a imunização dos grupos prioritários e estendam a oferta da vacina para públicos específicos. 

Depois de garantir as doses necessárias para os grupos que ainda não atingiram a meta de 90%, a recomendação é estender a vacina para cobradores e motoristas de ônibus de transporte público, cuidadores de pessoas vulneráveis (como idosos e acamados) e população em situação de rua. A recomendação dos novos públicos foi decidida na reunião da Comissão Estadual de Infectologia, realizada pela Secretaria da Saúde nesta quinta-feira (8), em Curitiba. 

“O Paraná atingiu até o momento 88% de cobertura vacinal. No entanto, temos municípios que estão muito abaixo dessa média, o que nos preocupa, principalmente em relação a crianças e gestantes, que apresentam maior risco de complicações pela gripe”, disse o diretor-geral da Secretaria, Sezifredo Paz. Segundo ele, os municípios que não atingiram a meta de vacinar 90% do público prioritário devem intensificar a busca ativa dessas pessoas.

ÍNDICES – Em algumas cidades, como Pontal do Paraná, por exemplo, o índice de crianças imunizadas não chegou a 50%. Em Foz do Iguaçu, somente 45,5% das crianças e 47% das gestantes receberam a vacina da gripe. Em Londrina, 59,8% crianças foram imunizadas e 57,5% gestantes. Na Região Metropolitana de Curitiba, Pinhais e Piraquara registram abaixo de 50% de cobertura vacinal para gestantes.

“É importante que os pais levem seus filhos para serem vacinados. Este é um público que depende da decisão dos adultos para garantir a proteção. Quanto às gestantes, chamamos a atenção para o risco de não tomar a vacina. Durante a pandemia da gripe, em 2009, tivemos muitas grávidas internadas em decorrência da doença e inclusive registramos mortes, o que devemos evitar”, ressalta a superintendente de Vigilância em Saúde, Júlia Cordellini.

A definição de quem tem direito à imunização pelo sistema público está baseada na epidemiologia da doença, ou seja, aqueles que historicamente têm apresentado complicações e até mortes por influenza. A vacina protege contra os vírus que mais circulam no país.

Para o médico infectologista do Hospital de Clínicas, Bernardo Montesanti Machado de Almeida, é essencial que os gestores municipais garantam a imunização dos grupos já definidos.

“Esses grupos são os mais vulneráveis aos vírus respiratórios, que têm maior taxa de mortalidade ou maior capacidade de disseminar a doença”, afirmou. Segundo ele, os idosos, por exemplo, são os mais propensos a complicações que podem levar à morte. “Quanto às crianças, são exemplos de grandes vetores da gripe, onde os vírus têm terreno fértil pra se disseminar entre uma criança e outra, além da possibilidade de agravamento, principalmente com as mais novas e bebês”, acrescentou.

SALDO – O saldo de vacinas disponíveis nas 22 Regionais de Saúde, no Centro de Medicamentos do Paraná, em Curitiba, e nos 399 municípios é de 372 mil doses. O montante total é suficiente para atender os novos públicos definidos. 

Os gestores, no entanto, podem ampliar a oferta desde que garantam as doses para os grupos que ainda não atingiram as metas e o façam em pactuação com as regionais de Saúde e a Secretaria Estadual.

O promotor do Ministério Público do Paraná, Marco Antonio Teixeira, solicitou os dados de cobertura vacinal e as decisões da comissão para embasar a orientação aos demais promotores paranaenses.

“Há muitas cidades com índices de cobertura muito aquém da média do Paraná e é essencial que os gestores municipais tenham uma orientação clara da estratégia definida na política pública estadual”, disse o promotor

COMISSÃO – A comissão de infectologia tem reuniões mensais para discutir assuntos e estratégias para enfrentamento de doenças infecciosas no Estado. “Há cinco anos a Secretaria da Saúde mantém com a Comissão de Infectologia uma relação de confiança e apoio às decisões referentes às doenças infecciosas em circulação no Estado. É um trabalho conjunto que traz resultados positivos a todos”, disse Sezifredo Paz.

A comissão é composta pela Secretaria Estadual de Saúde, Associação Médica do Paraná, Sociedades Paranaenses de Infectologia, Pneumologia, Pediatria e Terapia Intensiva, Conselhos Regionais de Enfermagem, Farmácia e de Medicina, Conselho de Secretarias Municipais de Saúde, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Hospital de Clínicas, Hospital Pequeno Príncipe e Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar.

ORIENTAÇÕES – Os municípios devem pactuar com associações de motoristas e cobradores para organizar a imunização de seus cooperados. Para a população de rua, as secretarias municipais deverão estudar suas estratégias. Quanto aos cuidadores, é necessário que apresentem nas Unidades de Saúde declaração de médico ou familiar comprovando o exercício da profissão e o nome do paciente.

Fonte: AEN - PR

 
 
 Outras Notícias
VER TODAS
 

Horário de Atendimento: De Segunda à Sexta: das 08:00 às 11:30 e das 13:30 às 17:00

(44) 3238.1222

pmdoutorcamargo@doutorcamargo.pr.gov.br

Rua Xavier da Silva, 1000 - Centro - Cep: 87155-000 - Doutor Camargo - Paraná